Anjos da Paz sensibilizam jovens de Traipu sobre riscos do uso de drogas

110323_ext_arquivo

Os Anjos da Paz da Secretaria de Estado de Prevenção à Violência (Seprev) estiveram, nesta semana, no município de Traipu onde promoveram uma sensibilização nas turmas da Escola Estadual Professora Maria Avelina do Carmo.

O convite surgiu a partir da necessidade da comunidade escolar em enfatizar os riscos do envolvimento com drogas para os alunos não só do ensino médio, como também para as turmas de Educação de Jovens e Adultos (EJA).

Associado a essa necessidade, há a tradicional “Feira do Conhecimento”, que este ano também terá como tema “O Jardim do Éden – um passeio entre a iniciação científica e o fruto podre das drogas na adolescência”.

A Feira, em sua 6ª edição, mobiliza toda a cidade ribeirinha, pois além da culminância com diversas apresentações na escola aberta ao público, finaliza-se o evento, em geral no Dia da Consciência Negra, com um desfile pelas ruas da cidade.

“A gente sabe que nessa faixa etária em que eles estão, entre 16 e 25 anos, além do pessoal do EJA, a exposição às drogas é maior e mais ‘atrativa’, porque eles não têm muita noção do perigo. Precisamos trabalhar isso dentro do contexto escolar”, disse a professor de biologia, Karla Nascimento.

Para o coordenador do Centro de Acolhimento de Arapiraca, Thomas Artur, é muito importante esse contato direto dos Anjos da Paz com os jovens. “Eles não só têm a oportunidade de divulgarem os serviços do Centro, como também de às vezes mudarem o rumo de muitas vidas à medida que despertam a reflexão sobre o mundo desumano das drogas”, pontua Thomas.

Ao todo, a equipe de Anjos da Paz sensibilizou as seis turmas de ensino médio da instituição ao longo do dia. Isto é, aproximadamente 400 jovens receberam as orientações e a cartilha informativa da Rede Acolhe – programa do Governo do Estado voltado ao acolhimento voluntário de dependentes químicos que buscam recuperação, retirando-os do ambiente de consumo, tráfico de drogas e violência.

“É muito bom ter quem nos aconselhe, porque isso ajuda bastante a livrar nossos amigos das más influências. A droga nunca é um bom caminho”, conclui Ana Caroline Teixeira de Farias, de 18 anos, aluna do 3º “A” da escola.

Alagoastempo

28/10/16

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *